Blog: Selic mais alta cria oportunidades de investimento além da Renda Fixa

24 de março de 2022

Taxa de juros em alta diminui a atratividade da Bolsa, mas o impacto nos preços das Ações já pode ter ocorrido

Um dos componentes mais importantes para compor o preço de qualquer ativo é o custo do dinheiro no tempo, ou o custo de oportunidade. E no Brasil, entende-se que a taxa SELIC, remuneração básica dos títulos pós-fixados do Governo Federal (LFTs), é a remuneração sem risco da nossa economia, portanto utilizada para fazer preço em todo tipo de investimentos. Desde Fundos Imobiliários até a Bolsa, passando por Títulos de Renda Fixa mais longos, prefixados ou indexados à inflação, a taxa de juros atual e sua expectativa de futuro são a base para o entendimento sobre a atratividade dos investimentos de uma forma geral.

Portanto, quando a SELIC está alta, isso incentiva os investidores a deixarem maior parte de seus recursos do caixa, em investimentos conservadores, ao invés de correr riscos em busca de maiores retornos.

A cada alta da taxa SELIC, surge a repetida e cansativa pergunta: “agora, onde investir?”. É uma forma muito simplista de analisar as coisas, porque a taxa atual, a SELIC do dia de hoje, não é o único parâmetro. É necessário analisar se o BACEN tende a aumentar, manter ou diminuir, mais rápido ou mais devagar, a taxa SELIC no futuro. E isso forma expectativas, através da análise de diversas e numerosas variáveis, que vão desde o lado político e fiscal, até à situação da economia mundial e como o Brasil se posiciona neste cenário.

No entanto, o que precisamos lembrar é que o mercado financeiro sempre procura se antecipar ao colocar preço nos ativos. Isso não quer dizer que o preço em Bolsa está sempre correto. Na verdade, as oscilações dos preços de ações e títulos de renda fixa podem ser irracionais em muitos momentos. Mas dentro desta irracionalidade, a regra para colocar preços é a antecipação. Se existe uma expectativa, em tese ela já estará no preço.

Por isso não adianta dizer que a Bolsa vai cair porque a SELIC vai aumentar. O correto é avaliarmos se a Bolsa hoje já estaria penalizada pela expectativa de aumento da taxa básica no futuro.

É o que ocorreu recentemente nos Fundos Imobiliários, que desvalorizaram, e na percepção de que a Bolsa, analisando friamente a rentabilidade das empresas que puxam o Índice Ibovespa, poderia estar depreciada neste momento. A sensação é de que o Ibovespa está ainda de freio puxado. E nessa conta também podemos colocar toda a incerteza relacionada às eleições presidenciais no Brasil e à guerra na Ucrânia.

O que podemos concluir é que há muito prêmio não só nos títulos remunerados diretamente pela SELIC, como em diversos outros títulos de Renda Fixa, curtos e longos, prefixados ou indexados à inflação. E também podemos dizer que, se a Bolsa tende a sofrer com a alta taxa de juros, esse impacto já ocorreu, porque o mercado se antecipa.

Se existe um cenário de taxa SELIC mais alta em 2022 e 2023, a tendência é que todos os investimentos estejam com preços mais baixos devido ao maior custo de oportunidade, inclusive ações e Fundos Imobiliários. E sendo assim, a alta da SELIC cria oportunidades de entrada em diversas classes de ativos.

É por isso que o momento agora é de comprar barato. Os investidores estrangeiros, que parecem ver as coisas de forma muito mais fria do que os brasileiros, já perceberam isso e vêm comprando de tudo, mas não só Renda Fixa. Investidores estrangeiros sempre tem um olhar vigilante sobre a alta das commodities e sobre as empresas listadas em Bolsa que se beneficiam desse ciclo. E olham para o retorno esperado de forma técnica, analisando a diferença de juros entre Brasil e Estados Unidos.

O conselho é olhar para todas as classes de ativos, não só a Renda Fixa, respeitando o seu perfil de investidor. E tenha cuidado, porque 2022 será um ano difícil e no segundo semestre, com eleições, as coisas podem ficar, digamos, mais desafiadoras.
 

Autor: Lélio Monteiro / Artigo publicado originalmente em A Gazeta (agazeta.com.br) em 24/03/2022

A Pedra Azul – Agente Autônomo de Investimentos Ltda. é uma empresa de agentes autônomos de investimento devidamente registrados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), na forma da Instrução Normativa nº 497/11. A Pedra Azul Agente Autônomo de Investimentos Ltda. atua no mercado financeiro através da XP Investimentos CCTVM S/A, o que pode ser verificado através do site da CVM. > Agentes Autônomos > Relação dos Agentes Autônomos contratados por uma Instituição Financeira > Corretoras > XP Investimentos ou através do site da ANCORD para escritórios credenciados a partir de outubro de 2012. > (Agentes Autônomos > Consultas) ou através do site da própria XP Investimentos CCTVM S/A. ( > Encontre um escritório > Selecione abaixo o estado e a cidade que deseja pesquisar > Veja a lista dos agentes autônomos). Para reclamações, favor contatar a Ouvidoria da XP Investimentos no telefone nº 0800-722-3710. Copyright © 2019 Pedra Azul Todos os direitos reservados. Toda comunicação através da rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros.
COPYRIGHT 2021 - PEDRA AZUL AGENTE AUTONOMO DE INVESTIMENTOS LTDA | política de privacidade
Design by: