Blog: Entenda por que a Poupança não é o investimento mais seguro que existe

07 de abril de 2022
Além de render pouco, a Poupança não é garantida como as pessoas pensam, e possui um risco desconhecido para a maioria
 
Cravada na história dos brasileiros, um símbolo de segurança e confiabilidade, a Poupança é o produto de investimento mais popular do Brasil. Ela foi criada por ninguém menos do que o imperador Pedro II, em 1861, através da Caixa Econômica Federal, com os mesmos juros de 6% ao ano que perduram, de certa forma, até hoje.
 
Na época, a Poupança era garantida pelo próprio governo imperial, e sua criação possibilitou que pessoas de baixa renda tivessem acesso a um instrumento confiável para que pudessem juntar suas economias. Passados mais de 160 anos, devemos reconhecer que o mercado financeiro mudou muito, e hoje temos acesso a muitos outros instrumentos confiáveis, mas a predominância da Poupança ainda é uma realidade.
 
A primeira questão para se entender é que a Poupança nos dias atuais não tem nenhuma segurança diferenciada, comparada com muitos outros investimentos conservadores disponíveis nos Bancos ou nas corretoras. A garantia é da instituição financeira emitente (e não mais do Governo Federal), e portanto está no mesmo patamar de risco que os recursos em conta corrente ou em CDBs (Certificado de Depósito Bancário) da mesma instituição. Tanto a Poupança, quanto a conta corrente e os CDBs, possuem a mesma cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito).
 
Se a Poupança for de um grande banco, a garantia (em tese) é maior, proporcional à solidez do emitente. Se for de um banco pequeno, e que eventualmente tenha um risco maior, este risco também será da Poupança. Ela se torna, neste caso, um instrumento de menor segurança, proporcional ao risco do banco.

Se o banco tiver dificuldades, ou eventualmente vier a “quebrar”, a poupança terá o mesmo tratamento de outras aplicações bancárias, colocando o recurso do investidor em risco. E o Governo não tem a obrigação a intervir, como muitas pessoas pensam.
 
A alternativa para os investidores conservadores é a aplicação em títulos públicos federais, via fundos ou de forma direta, pelo Tesouro Direto, por exemplo. Esses títulos, sim, são garantidos pelo Governo, o que não faz com que sejam isentos de risco. Neste caso, o investidor está sujeito ao próprio risco-país, e se o Brasil “quebrar” e não honrar o pagamento de sua dívida, isso pode afetar os investimentos das pessoas em títulos públicos. A questão é que teoricamente o Governo Federal é o último a “quebrar”, e os Bancos tem mais risco, cada um em sua especificidade. A Poupança está nesse segundo degrau, abaixo dos títulos públicos em relação à segurança.
 
Por ser um produto que sempre foi e continua sendo voltado para pequenos investidores, algumas vezes as instituições financeiras fazem da Poupança um benchmark ruim, e nivelam por baixo as outras alternativas de investimentos. Como ela rende pouco, é só paga rendimentos a cada 30 dias, é daí que nascem os fundos de renda fixa com taxas de administração extorsivas e CDBs com rentabilidade baixíssima.
 
É importante lembrar que nem todos os Bancos e corretoras penalizam o pequeno investidor desta forma. Há alguns players que são instituições fortes e reconhecidas e oferecem condições melhores e muito mais democráticas de acesso a rentabilidades melhores que a da Poupança. O Tesouro Direto é uma boa alternativa. Mas para isso o pequeno investidor vai precisar pensar fora da caixa, pesquisar e procurar saber. Mudar de banco ou de corretora, talvez.
 
Portanto, é um mito que a Poupança é o investimento mais seguro. Isso é algo que está na história do brasileiro, e mesmo assim é um tanto incompreensível, já que a Poupança foi objeto de um traumático bloqueio de recursos na década de 1990 por parte do Governo. O fato é que, olhando mais de perto, há muitas opções mais rentáveis e que possuem tanta segurança ou mais do que a velha caderneta.

Autor: Lélio Monteiro / Artigo publicado originalmente em A Gazeta (agazeta.com.br) em 07/04/2022
A Pedra Azul – Agente Autônomo de Investimentos Ltda. é uma empresa de agentes autônomos de investimento devidamente registrados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), na forma da Instrução Normativa nº 497/11. A Pedra Azul Agente Autônomo de Investimentos Ltda. atua no mercado financeiro através da XP Investimentos CCTVM S/A, o que pode ser verificado através do site da CVM. > Agentes Autônomos > Relação dos Agentes Autônomos contratados por uma Instituição Financeira > Corretoras > XP Investimentos ou através do site da ANCORD para escritórios credenciados a partir de outubro de 2012. > (Agentes Autônomos > Consultas) ou através do site da própria XP Investimentos CCTVM S/A. ( > Encontre um escritório > Selecione abaixo o estado e a cidade que deseja pesquisar > Veja a lista dos agentes autônomos). Para reclamações, favor contatar a Ouvidoria da XP Investimentos no telefone nº 0800-722-3710. Copyright © 2019 Pedra Azul Todos os direitos reservados. Toda comunicação através da rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros.
COPYRIGHT 2021 - PEDRA AZUL AGENTE AUTONOMO DE INVESTIMENTOS LTDA | política de privacidade
Design by: